No final do ano passado Danielle Panabaker protagonizou o filme de natal do Hallmark Channel “Christmas Joy”. Traçando um paralelo entre o filme e a série The Flash, o site International Business Times perguntou a atriz com quais colegas da DCTV ela gostaria de trabalhar em um filme. Confira a tradução completa:

Estrela de The Flash, Danielle Panabaker recentemente estrelou o filme “Christmas Joy” do Hallmark Channel. Esse não foi o seu primeiro filme do canal. Ela também não é a primeira atriz do Arrowverse a trabalhar com a emissora.

Então, e se Hallmark decidisse juntar alguns deles em um novo filme – quem deveria estrelar? O International Business Times perguntou isso a atriz.

Apesar de, antes de conversar com o IBT, Panabaker não saber que várias estrelas do Arrowverse já haviam feito filmes do Hallmark, incluindo seu colega de elenco de The Flash, Tom Cavanagh (franquia “Darrow & Darrow” e “Trading Christmas), ela foi rápida ao escolher a pessoa com quem gostaria de fazer um filme.

“Eu gostaria de fazer um com Melissa [Benoist, que interpreta Kara Danvers/Supergirl]… É apenas um sonho trabalhar com ela,” diz Panabaker. “Ela ri todos os dias. Ela é tão divertida de ter por perto. Tem uma ótima energia. Então, eu acho que ela seria a minha primeira escolha.”

Se o seu colega de Hallmark tivesse que ser um homem, “com certeza seria Tom,” ela disse, antes de completar que “talvez ele possa deixar eu participar de sua série”.

E se todos eles pudessem estar em um filme juntos, quem seria a quarta pessoa?

“Sabe o que eu acho que seria realmente divertido? Tudo isso é totalmente egoísta sobre quem eu acho que me divertiria. Eu acho que Keiynan [Lonsdale, Wally West], na verdade. Acredito que poderíamos rir e nos divertir muito. E acho que gostaríamos disso.”

Que a campanha para este crossover comece. Enquanto os fãs esperam por essa épica comédia romântica acontecer, podem assistir novos episódios da 5ª temporada de The Flash na The CW às terças-feiras 8pm EST (22h no horário de Brasília).

Fonte: International Business Time

Tradução por Danielle Panabaker Brasil

** Por Lacy Baugher para o Collider | Tradução DPBR

É seguro dizer que a transformação de Caitlin Snow em seu alter ego dos quadrinhos, Killer Frost, foi um dos eventos mais esperados de The Flash. No entanto, também parece seguro dizer que a adição de seu alter ego gelado para a série frequentemente parece uma decepção, com tramas contraditórias, mudança de caracterização e falta de direção real. Até agora.

Pode ter muito pela frente, mas The Flash finalmente decidiu fazer o certo por um de seus personagens mais subutilizados, dando a Caitlin e Killer Frost um passado complicado de se considerar, um novo relacionamento para explorar e um futuro que, finalmente, parece bem aberto.

The Flash por muitas vezes tem lutado em como escrever Caitlin, dando-lhe pouco a fazer além de explicar procedimentos médicos ou namorar homens que morrem tragicamente ou se revelam malvados.

Embora a adição de Killer Frost tenha – finalmente – dado a Caitlin algumas histórias que não tem nada a ver com sua vida romântica, elas também não foram exatamente boas ou o que você chamaria de coerentes. A série teve dificuldade em explicar consistentemente até os conceitos mais básicos de personagens sobre Killer Frost, como de onde ela veio, como sua conexão com sua hospedeira funcionava ou o porquê seus poderes pareciam corromper Caitlin toda vez que eram usados. Ela era uma vilã? Uma anti-heroina? Uma parasita? Um aspecto suprimido da personalidade de Caitlin? Ou algo entre todas essas coisas? A resposta muitas vezes mudou dependendo de qual episódio você estava assistindo.

Nós vimos Killer Frost se aliar com o velocista malvado Savitar, tentar matar seus próprios amigos e trabalhar como negociante para um mercado ilegal de metahumanos. No entanto, também testemunhamos Caitlin lutando para suprimir seus poderes e o lado mais sombrio de si mesma que Killer Frost frequentemente representava. A caracterização dessas mulheres era uma completa bagunça, e uma que The Flash parecia completamente incapaz – e muitas vezes desinteressado – de consertar.

Embora certamente valha a pena debater exatamente o quanto de desserviço The Flash acabou fazendo tanto com Caitlin e com Killer Frost ao ignorar, retrabalhar e estragar completamente a adição de Frost à história, a série merece elogios por finalmente tentar corrirgir alguns de seus erros anteriores.

Apesar da decisão de apagar Killer Frost da vida de Caitlin no final da 4ª temporada parecesse meio aleatória na época, acabou fornecendo uma espécie de suave reinício para ela e sua história. The Flash finalmente se comprometeu com algo parecido com um arco para ambas as mulheres, o que incluiu uma história com um passado definível, um caminho claro para o futuro, e algumas respostas reais sobre quem é Frost e como ela e Caitlin podem coexistir.

A existência de Killer Frost não foi resultado da explosão do acelerador de partículas ou causada pelo Flashpoint. Ela sempre foi uma parte de Caitlin, devido aos assustadores experimentos médicos de seu pai. Embora essa revelação tenha sido certamente uma reviravolta sombria, ela fez muito mais sentido do que algumas das outras opções que a série oscilou ao longo dos anos. E finalmente definindo a história de Killer Frost, The Flash abriu um caminho para a personagem se mover completamente para o futuro.

De maneira esperta, a série não trouxe Killer Frost de volta imediatamente após seu desaparecimento induzido por Thinker, permitindo assim a busca de Caitlin por uma maneira de trazê-la de volta dominar os primeiros episódios da 5ª temporada. Pela primeira vez nesta história, sua personagem tinha uma ação real e tinha permissão de escolher seu próprio destino. Em todas as versões anteriores da saga de Killer Frost, Caitlin não teve muita escolha em relação aos seus poderes. Dessa vez, as forças externas não estão dirigindo as coisas – ela mesma está. Caitlin quer Killer Frost de volta em seus próprios termos porque ela valoriza o relacionamento que as duas construíram juntas. Ela quer procurar seu pai e encarar o seu passado porque vê Frost como uma parte valiosa tanto de quem ela é agora, como da mulher que ela está se tornando.

Além disso, The Flash parece ter percebido que precisamos ver um pouco dessa transformação por nós mesmos – e isso está fazendo uma grande diferença para ambas as personagens. Caitlin e Killer Frost começaram a construir um elo na 4ª temporada, mas o relacionamento delas em grande parte se desenvolveu fora da tela e havia muito mais sendo revelado do que mostrado quando se tratava de detalhes. O aspecto da dupla personalidade de sua conexão sempre foi algo particularmente complicado, especialmente quando The Flash lutou para ser consistente em detalhes básicos, como se as duas compartilhavam memórias, ou se Caitlin precisava sentir medo para Killer Frost aparecer.

Para seu crédito, a 5ª temporada fez questão de nos mostrar a crescente conexão de Caitlin e Killer Frost ao longo de vários episódios. Ao invés de ouvir falar de Frost passando um tempo com outros membros da equipe Flash enquanto Caitlin não está por perto, nós realmente vimos eles conversando entre si. E em vez de tratar a personagem como uma “colega de quarto malvada” que compartilha o seu corpo e não aparece na tela, The Flash começou a nos mostrar tanto Caitlin quanto Killer Frost resolvendo problemas – até discordâncias – juntas. Isso não só ajudou Frost a parecer mais como parte integrante do time Flash – ao invés de apenas um músculo frio -, mas nos deu uma visão mais sutil de sua conexão com sua metade. A insistência de Killer Frost de que ela apenas quer proteger ‘Caity’ do perigo é uma motivação surpreendentemente doce para sua atitude agressiva, enquanto Caitlin (que antes temia seus poderes e a escuridão que vinha junto com eles) aprendeu a aceitá-los como parte de si mesma.

Há perguntas das temporadas anteriores sobre as duas que provavelmente nunca saberemos as respostas? Sim, absolutamente. E isso é extremamente irritante. Mas, pela primeira vez em muito tempo, parece que Caitlin e Killer Frost são uma parte integral da história que está acontecendo em algum lugar. A origem de Frost, livre de matéria escura, a coloca no centro da batalha contra o vilão da 5ª temporada, Cicada; enquanto a decisão de Caitlin de ajudar Cisco a desenvolver uma cura para metahumanos foi em grande parte motivada por querer proteger àqueles com os mesmos poderes que um dia ela temeu. Ambas personagens de alguma forma possuem um propósito que não tiveram antes (ou honestamente, nunca teve, no caso de Killer Frost) e é tremendamente emocionante de assistir, assim como uma grande melhora em relação às temporadas anteriores. A 5ª temporada não corrigiu todos os problemas relacionados a Caitlin, com certeza. Mas, certamente parece que está no caminho.

** Esse texto é um artigo de opinião, escrito por Lacy Baugher para o Collider.

Fonte: Collider

Tradução por Danielle Panabaker Brasil

O 100º episódio trouxe algumas revelações sobre a quinta temporada de The Flash, e com a volta da série após um mês de pausa, o showrunner da série, Todd Helbing conversou com o TV Guide e o Entertainment Tonight sobre a consequência dessas revelações, incluindo o futuro de Killer Frost e Caitlin, que começará a trabalhar em uma cura para metahumanos junto com Cisco. Helbing também comentou sobre a estreia de Danielle como diretora no episódio 5×18.

Confira:

Agora que sabemos que os poderes de Cicada não afetam Killer Frost, ela é meio que uma arma secreta para lutar contra ele?

Sim, há muitas batalhas contra esse cara no futuro, então ter Killer Frost por perto é, certamente, muito oportuno.

O que você pode dizer sobre a jornada de Caitlin para encontrar e salvar seu pai, e o que vem a seguir sobre esse enredo?

Definitivamente veremos Icicle (Kyle Secor) novamente, e ela precisa chegar a uma conclusão sobre o que exatamente ele fez com ela. Não é apenas um pouco do fim de seus questionamentos sobre seu pai, mas isso também desempenha um papel enorme no enredo sobre a cura para metahumanos.

Danielle Panabaker irá dirigir um episódio nesta temporada, você pode adiantar alguma coisa sobre isso?

Nós estamos desenvolvendo a história nesse momento. Será um episódio muito legal e acho que é uma história que Danielle irá arrasar. Estamos todos animados. Ela é tão inteligente quanto pode ser, então temos toda a fé no mundo que ela fará um trabalho melhor do que o esperado.

Fonte: TV Guide

Sabemos que Cisco e Caitlin podem estar trabalhando em algum tipo de cura para metahumanos. Qual é a história por trás disso?

Bom, veremos os dois lados dessa discussão por um tempo. A questão é se eles devem fazer uma cura, e se fizerem, como vão lidar com isso de forma responsável? Nenhum dos dois escolheu ter superpoderes, por isso há toda essa ideia de escolha e a responsabilidade deles, ou que papel eles desempenham na criação dessas pessoas e o que aconteceria se a cura caísse em mãos erradas. Esses são todos os elementos dessa metade da temporada e envolverá o relacionamento dos dois.

Caitlin e Killer Fros parecem ter conseguido um tipo de entendimento mútuo, por enquanto. Mas parece inevitável que a cura para metahumanos, ou pelo menos a ideia de uma cura, poderia afetar esse relacionamento. Isso entrará em jogo?

Sim. Se Caitlin resolver tomar a cura, Killer Frost desaparece, então sim, certamente é algo que iremos falar. E você verá a resposta de Caitlin e Killer Frost a esse assunto.

Fonte: Entertainment Tonight

Tradução e adaptação por Danielle Panabaker Brasil

Fan Fest San Jose 2018
Fan Fest San Jose 2018
DPBR postou isso no dia 03.12.2018!

No último final de semana, Danielle Panabaker esteve em San Jose onde participou da convenção Fan Fest. Como de praxe, a atriz conheceu fãs e também participou de um painel de perguntas e respostas junto com seus colegas de elenco de The Flash Hartley Sawyer, Candice Patton e uma pequena participação de Robbie Amell.

Algumas fotos com os fãs:

Confira os detaques do painel:

Danielle insinuou que coisas incríveis acontecerão no último episódio do crossover Elseworlds, que acaba em Supergirl.
– Um fã perguntou sobre a questão de ter banheiros ou não no Star Labs e nas prisões de metahumanos, Danielle respondeu que “Tentaram responder essa questão no último episódio da 1ª temporada. Então eu acredito que há banheiros que saem da parede. Ah, talvez você verá isso nos crossovers…”
Danielle também disse que pôde trabalhar com Ruby Rose (intérprete de Batwoman), e está preparada para os fãs a verem em ação, e o quão legal (mas restritivo) é o seu traje. “Eu pude trabalhar com Ruby no crossover, e vocês irão amar. Aquela mulher é incrível.”
– Ao ser lembrada sobre sua personagem no filme original da Disney Channel “Presas no Subúrbio”, Danielle disse que é grata de ter a carreira que tem. “É ótimo. O tempo todo eu digo que se você tem sorte o suficiente de se sustentar, você é abençoado e sortudo. Sou grata por ter uma carreira que eu amo e a qual me sinto apaixonada.”
Danielle irá dirigir o episódio 18 de The Flash nesta temporada, e isto faz dela a primeira atriz do Arrowverse a dirigir um episódio. Ela diz estar honrada, animada e grata pela oportunidade.
– Quando Robbie Amell se juntou ao painel, ele e Danielle brincaram sobre como ela deseja que o personagem dele voltasse a vida em The Flash.