A versátil atriz de The Flash recebe seu jogo de espionagem em sua segunda passagem na cadeira do diretor.

Ralph Dibny pode não ter todos os movimentos suaves como outro agente secreto famoso, mas como os fãs de Flash estão prestes a descobrir, ele certamente pode usar um smoking. O episódio de hoje à noite, “License to Elongate”, mostra o Elongated Man se unindo a Barry Allen para caçar Sue Dearbon, a mulher no centro do caso de pessoas desaparecidas que Ralph está trabalhando durante toda a temporada. É também o segundo episódio a ser dirigido por Danielle Panabaker, que estreou na direção contando preenchendo a história de Nora West-Allen e apresentando o vilão Godspeed à popular série da DCTV. Nesse memorável episódio, Panabaker demonstrou uma habilidade real em dirigir cenas repletas de brincadeiras inesquecíveis e muitas vezes hilárias entre os personagens – algo que estará em exibição total no episódio de hoje à noite.

Depois de conversar com Panabaker para o seu primeiro episódio como diretora, achamos que seria divertido falar com ela novamente, agora que ela terminou o segundo. O resultado foi uma conversa animada com uma atriz talentosa que, claramente, também se apaixonou por dirigir. Mas, novamente, quem melhor para alternar duas personas separadas do que a mulher que interpreta ambas Caitlin Snow e Killer Frost na tela?

Até agora, você tem interpretado mais Killer Frost durante a maior parte desta temporada. Como você se sente ao deixar seu lado mais gélido em primeiro plano?
Tem sido muito divertido interpretar Killer Frost nesta temporada. Eu acho que foi uma ótima oportunidade. Nós vimos muito de Caitlin durante os anos e é ótimo para Killer Frost poder ter o controle e fazer escolhas. Particularmente como atriz, é divertido porque ela comete erros e é imperfeita. É bom explorar isso.

Tem sido uma temporada desafiadora para Caitlin e Killer Frost, pois o vilão desta temporada, Dr. Rosso, era colega de Caitlin. Como você acha que é ver um amigo seu se tornar um vilão?
Eu acho realmente difícil. Killer Frost tem seus instintos sobre Ramsey, que são muito diferentes dos instintos de Caitlin. Obviamente, Caitlin tem uma história com Ramsey. Ela quer acreditar que ainda há coisas boas dentro dele e que ela pode afetar as mudanças em uma direção positiva. Mas, Killer Frost é um pouco mais cética e instintivamente não confia em Ramsey. Então, é interessante ver essas duas pessoas terem opiniões tão diferentes sobre Ramsey Rosso. Eu acho que provavelmente é difícil para Caitlin não conseguir mudá-lo.

O que cria-se quando Killer Frost e Caitlin têm esse tipo de desacordo fundamental?
Não vemos muita coisa na série, mas acho que provavelmente há conversas entre as duas fora da tela.

Também é difícil porque você está lidando com a morte iminente de Barry. Você acha que Killer Frost e Caitlin aceitaram isso ou ainda estão tentando descobrir uma maneira de evitá-la?
Acho que eles ainda estão tentando descobrir uma maneira de evitá-la. Eu não acho que a equipe Flash seja particularmente boa em aceitar qualquer destino, francamente, pois você os vê também continuarem lutando com a crise. A próxima morte de Barry é a mesma. Eu não acho que eles estão apenas relaxando e aceitando, eles estão lutando o máximo que podem.

O episódio desta semana, “License to Elongate”, é o seu segundo episódio como diretora. Você pode nos dizer do que se trata?
“License to Elongate” é um sopro de ar fresco antes de entrarmos em dois episódios realmente sombrios. Barry tem preparado os diferentes membros da equipe Flash para a vida pós-crise. Recentemente, vimos ele pegar Cisco e realmente prepará-lo para ser o líder da equipe, e ele está tentando ensinar Killer Frost a canalizar sua raiva. Este episódio é realmente sobre o relacionamento de Barry e Ralph – eles partem em uma aventura para encontrar Sue Dearbon. É um episódio de James Bond para os dois. Eles vestem seus trajes e vão a uma festa de gala. Eles se divertem muito e também aprendem e crescem ao longo do caminho.

Você mencionou que [o episódio] é influenciado por James Bond. Você é fã de Bond?
Eu já vi alguns filmes antes disso e, nos últimos meses, assisti muito mais. Isso foi muito divertido. Quando você volta e assiste aos filmes de James Bond desde o início, eles mudaram muito dos filmes de Sean Connery e Roger Moore para os de Daniel Craig. É divertido ver o quanto evoluiu ao longo dos efeitos especiais atualizados.

Você tem um Bond favorito?
Eu tenho que ser honesta, sinto que Daniel Craig é um ótimo Bond. Eu acho que os últimos dois filmes foram realmente espetaculares.

Dirigir seu segundo episódio de The Flash foi mais fácil do que dirigir seu primeiro? Houve problemas inesperados que surgiram desta vez?
Eu não diria que dirigir meu segundo episódio foi necessariamente mais fácil. Cada episódio apresenta seus próprios desafios. O que é divertido para mim é que ainda estou aprendendo e é ótimo conseguir esticar músculos diferentes. “Godspeed” teve muito mais efeitos visuais do que “License to Elongate”. Não foi necessariamente mais fácil. Eu certamente tinha mais confiança, porque tinha o primeiro em meu currículo e senti que sabia um pouco o que estava fazendo – como me comunicar e como conseguir o que precisava.

Eu amo isso. Há tantas pessoas talentosas que trabalham na nossa série. Poder colaborar com eles e elevá-los a fazer os seus melhores trabalhadres é muito divertido para mim.

Você acha que o superpoder de Ralph seria mais benéfico para um ator ou diretor?
A capacidade de alongar?

Sim, mas ele também pode mudar sua aparência, certo?
Sim! É difícil dizer. Eu vejo que como ator seria útil poder se transformar, mas também como diretor, muito do que você faz é sobre sua capacidade de se comunicar com as pessoas de uma maneira que elas possam ouvir. São muitas habilidades das pessoas, e há um certo elemento de alongamento que também entra nisso. É menos físico, mas tem um elemento de adaptar seu processo de trabalho a quem você está trabalhando.

Então, você acha que isso beneficiaria igualmente os dois?
Absolutamente.

É sempre divertido vê-la dirigir The Flash, mas você tem interesse em dirigir outras coisas daqui para frente? Talvez um filme ou um programa de TV diferente?
Adoro dirigir e mal posso esperar para dirigir outra coisa. Pode ser um pouco desafiador, porque nosso hiato é muito curto, mas estou realmente ansiosa para dirigir outra coisa. O que eu amo, em termos de programas de televisão, são geralmente programas um pouco mais baseados em relacionamentos. Eu amei YOU, por isso, se eu pudesse dirigir um episódio disso, seria ótimo. Mas também sinto que tive sorte em trabalhar em uma série com tantos efeitos especiais. Esse é um conjunto de habilidades específico, então eu gostaria de continuar usando isso, mas em uma capacidade diferente.

Sem spoilers, quão divertido foi filmar “Crisis on Infinite Earths”?
Eu realmente não sei como eles conseguem fazer esses crossovers. É uma façanha incrível. Fazemos isso para os fãs, porque eles amam muito. Estou animado para os fãs verem todos. Obviamente, é o maior que já fizemos – cinco séries. Estamos até trazendo Cress de Black Lightning, então é bem épico. Estou animado para os fãs verem e espero que eles gostem.

Fonte: DC Comics
Tradução e adaptação por: Danielle Panabaker Brasil

Danielle Panabaker conversou com o TVLine sobre dirigir o episódio 6, uma ambiciosa mistura de espionagem, aventura e comédia romântica; se veremos Caitlin reagindo sobre o terrível destino de Barry e com qual ator convidado de “Crisis” ela teve o prazer de compartilhar cena.

No episódio desta terça-feira de The Flash, “Allen, Barry Allen” se junta a “Dibny, Ralph Dibny” em uma missão para infiltrar um sarau super-secreto relacionado à Sue Dearbon em Midway City. O que segue é uma aventura com as identidades regulares dos agentes e não tanto em suas identidades de super-herois. Enquanto isso, Nash detalha a Iris e ao resto da equipe Flash o seu plano para salvar Barry, ao passado que Cecile e Frost ajudam Chester P. Runk a se acostumar com a sua nova vida – e apenas talvez “conseguir a garota” no caminho.

Para a sua estreia como diretora na primavera passada você nos levou para o ano 2049. Qual foi o maior desafio que este roteiro te deu como diretora?
É engraçado — cada roteiro tem a sua própria personalidade, com certeza. Eu assisti vários filmes de James Bond em preparação, e queria prestar o máximo de homenagens possíveis aos filmes de Bond. A sequência do Ato V em conceito foi um pouco intimidadora, mas quando chegamos a filmar, eu a havia dividido em quatro partes, então a produção não foi tão ruim. Mas isso, a princípio, foi um pouco intimidador.

Além disso, para a cena em que Cecile e Killer Frost conversam com Chester e Natalie… Na verdade, conseguimos filmar essas cenas simultaneamente, o que logisticamente foi um pouco mais complicado e acho que algo que nunca fizemos antes em The Flash, mas ficou muito bom. Também tenho orgulho dessa sequência.

Isso é raro. Vocês geralmente gravam um lado da conversa e depois o outro lado.
Sim, mas isso é mais divertido e deu um timing mais realista para Chester meio que se atrapalhando enquanto esperava suas dicas. Natalie teve ótimas reações enquanto ela olha para Chester, se perguntando porque diabos ele demora tanto para responder.

Nesta temporada, nós vimos Katie [Cassidy-Rodgers, de Arrow], Caity [Lotz, de Legends of Tomorrow] e Melissa [Benoist, de Supergirl] alinhando suas próprias estreias na direção. Alguém te procurou para conselhos?
Absolutamente. Todas essas mulheres são tão talentosas, eu sei que elas farão um ótimo trabalho. Katie e Caity já gravaram os seus episódios e eu conversei bastante com elas e, tentei ser o mais útil possível. Ambas também fizeram o Workshop de Diretores da Warner Bros., mas é realmente importante para mim recompensar a bondade de alguém comigo, sendo gentil com outra pessoa*, em todos os elementos da minha vida, então tentei fornecer a elas o máximo de informações possível.

*originalmente, Danielle usa a expressão “to pay it forward”, que não possui uma tradução literal que faça sentido para o português, mas significa 1) que quando alguém faz algo por você, em vez de pagar a essa pessoa de volta diretamente, você passa para outra pessoa; 2) recompensar a bondade de alguém para com você sendo ser gentil com outra pessoa.

Em frente à câmera, onde você vê Frost estando em sua evolução? Onde você encontra a aresta com a personagem e ainda reconhece que ela está se tornando cada vez mais uma de nós?
Eu realmente adorei a jornada dela nessa temporada. Esta é a primeira vez que ela está conseguindo ter sua própria voz, fazer escolhas e cometer erros. Como atriz, é divertido interpretar uma personagem que é imperfeita e que às vezes está fazendo a escolha errada e agindo de forma inadequada. Killer Frost, mais frequentemente do que Caitlin e com mais frequência do que a maioria, age de forma inapropriada. Muitas vezes, ela não se vê dizendo a coisa certa na hora certa. Então, estou gostando. Mas, nós a vimos crescer. Particularmente no episódio 3, houve uma mudança no topo do episódio, onde ela meio que irrompeu e estava jogando coisas quando descobriu que Barry vai morrer na crise, mas no final do episódio eles estão tendo uma conversa de coração aberto.

Falando nisso, nós vimos Frost reagir a situação de Barry, mas os espectadores antigos realmente querem ver Caitlin reagir à sua morte inevitável. Nós teremos esse momento?
Eu não sei se teremos de uma forma que os fãs estão esperando. Caitlin está lidando com Ramsey e esse relacionamento, então ela aparece para isso, mas eu imagino que fora das telas, Caitlin teve o seu próprio momento para lamentar.

Cada episódio dessa temporada nos deu momentos emocionantes relacionados à Barry. Há algo desse tipo no episódio que você dirigiu?
Absolutamente. A primeira parte da 6ª temporada é Barry realmente preparando cada membro da equipe Flash para a vida pós-Crise, e nesta semana é o seu momento de ter essa conversa com Ralph. Enquanto ele, certamente, está tentando ensinar algo a Ralph, uma consequência de suas aventuras é que Ralph também ensina algo a Barry.

Como você diria que o crossover desse ano, “Crisis on Infinite Earts”, difere-se dos anteriores?
O crossover deste ano, obviamente, é maior do que qualquer um que já fizemos. São cinco séries. Há dois anos, nós fizemos quatro séries [para “Crisis on Earth-X”], pessoalmente, acho que foi o mais difícil — e, de alguma forma, este ano eles conseguiram superá-lo, com cinco séries e um número inacreditável de participações especiais muito interessantes. Acho que os fãs ficarão realmente encantados com todas as pessoas que aparecem nos crossovers. Eu ainda balanço minha cabeça com o quão incrível eles são.

Você, como Frost, pôde ter alguma dinâmica interessante com algum personagem de outra série?
Não estou tão presente no crossover deste ano, como estive nas temporadas anteriores, mas eu participo um pouco das outras séries. Foi realmente ótimo ter Cress [Williams, de Black Lightning] nos crossovers. Eu conheci ele e sua esposa há alguns anos, e ele é adorável e caloroso. Foi ótimo tê-lo.

Fonte: TVLine
Tradução e adaptação por: Danielle Panabaker Brasil

Continuando a sequência de entrevistas de Danielle Panabaker a respeito do episódio 6×06 “License to Elongate”, dirigido pela atriz, trazemos a tradução da matéria do TV Guide, onde Danielle fala sobre a volta da leveza cômica de Grant Gustin no episódio, e o showrunner Eric Wallace conta sobre os cortes de piadas de James Bond e tece elogios a performance de Danielle como diretora.

The Flash sempre esteve em seu melhor quando brinca com seus tons patetas, mas isso foi decididamente difícil de fazer na 6ª temporada. O assunto sombrio naturalmente tomou conta, mas a desgraça e a melancolia serão suspensas no episódio 6 “License to Elongate”.

Enquanto a estrela da série, Danielle Panabaker, volta para a cadeira do diretor, Barry (Grant Gustin) e Ralph (Hartley Sawyer) vestem smokings elegantes para assumir uma aventura muito parecida com James Bond. Os espectadores poderão ver o ouro cômico de Gustin, enquanto Barry toca o segundo violino de um Ralph surpreendentemente suave. É um bom lembrete de que, quando Barry está fora do traje do Flash (e às vezes até quando está nele), ele é, no fundo, um pateta. É um elemento que não temos visto muito recentemente, e é por isso que vai ser um bom limpador de paladar enquanto nos dirigimos para o decididamente escuro final de duas partes da meia-temporada e o crossover Crisis on Infinite Earths.

“Grant é incrivelmente talentoso e, particularmente nesta temporada, enquanto se preparam para a crise, não conseguimos ver muita leveza nele”, disse Panabaker a repórteres em uma exibição do episódio. “E para realmente dar a ele a oportunidade… de realmente se aproximar da comédia, acho que foi divertido para ele. Havia algumas cenas de dublê que eu não pretendia que ele fizesse, ele subiu ao palco e ficou tipo: ‘Bem, posso fazer isso?’ E eu fiquei tipo, ‘Isso não depende de mim!’ Então você sabe, acho que ele estava realmente se divertindo.”

Além da comédia absolutamente encantadora de Gustin, também teremos um dilúvio absoluto de piadas e referências de James Bond. O showrunner Eric Wallace atribui a todos eles a sala de escritores fantásticos, que não resistiu a nenhuma oportunidade de satisfazer seus fãs internos de Bond.

“Sentamos na sala dos roteiristas – somos as pessoas mais nerds do mundo, é ótimo”, disse ele. “De fato, existem tantas piadas de Bond que tivemos que cortar do roteiro. Só teria sido embaraçoso naquele momento. Nós meio que dissemos tudo bem, vamos fazer uma ou duas específicas”.

De fato, toda uma sequência de luta de James Bond acabou sendo cortada da versão final do episódio e ainda parecia que as referências de Bond estavam sendo lançadas para nós, esquerda e direita. Você pode imaginar como era o primeiro corte desse episódio?

A pessoa que tomou essas decisões difíceis sobre o que cortar foi Panabaker, que anteriormente dirigiu “Godspeed” da 5ª temporada. Wallace não poderia dizer coisas boas o suficiente sobre as habilidades de direção nativa de Panabaker, ajudadas, é claro, por seu conhecimento íntimo da série, da equipe e do elenco, tendo mais de 100 episódios de experiência com a série em seu currículo.

“Ela é uma diretora fantástica”, disse Wallace, “e posso dizer isso com confiança porque a vi em ação. Ela estava muito preparada. Ela sabia exatamente o que estava fazendo; filmava a construção, trabalhava com o diretor de fotografia, trabalhava com a atores, com as coisas cortadas em sua cabeça. Eu não ficaria surpreso em vê-la dirigindo muitos outros episódios do programa. Ela apenas fez um ótimo trabalho, e eu estou super feliz.”

Fonte: TV Guide
Tradução e adaptação por Danielle Panabaker Brasil

Em entrevista ao Insider e outros meios de comunicação, Danielle Panabaker diz que “se sentiu mais confiante” durante sua segunda vez dirigindo um episódio na 6ª temporada de The Flash.

“A primeira vez que você faz alguma coisa é um pouco estressante”, disse Panabaker, que interpreta Caitlin Snow/Killer Frost no programa da CW, ao Insider. “Você pode estar tão preparado quanto quiser, mas nunca sabe.”

A atriz fez sua estréia na direção durante o episódio 18 da 5ª temporada da série (intitulada “Godspeed”) e mais uma vez ficará atrás das câmeras no episódio desta terça-feira (“License to Elongate”).

“Eu definitivamente me senti mais confiante nesta temporada”, disse Panabaker.

Ela continuou: “Ao dirigir pela segunda vez, senti que também tinha menos a provar, porque na primeira vez que dirigi, eu realmente queria mostrar a todos o quanto eu estava levando isso a sério e quão preparada eu estava”.

“Acho que, com razão, algumas pessoas ficaram céticas no começo”, acrescentou Panabaker. “E agora que era minha segunda vez, as pessoas realmente confiavam que eu sabia o que estava fazendo e era capaz de fazer a melhor versão possível desse roteiro”.

Fonte: Insider
Tradução e adaptação por Danielle Panabaker Brasil