Entre os dias 12 e 16 de junho deste ano, Danielle Panabaker e Candice Patton estiveram no 56º Festival de Televisão de Monte Carlo, representando a série The Flash. Concederam várias entrevistas, e inclusive participaram de um painel de perguntas e respostas com a imprensa, na semana passada, a revista mensal da Red Bull, a The Red Bulletin publicou entrevista se baseando no que foi dito por essas duas incríveis atrizes no painel. Confira a tradução completa:

Candice Patton & Danielle Panabaker falam sobre herois na vida real e papéis de poder feminino

Nós conversamos com as garotas poderosas de The Flash, Candice Patton e Danielle Panabaker no Festival de Televisão de Monte Carlo sobre super-herois da vida real, rejeição e o que elas estão esperando para a próxima temporada.

Candice Patton interpreta Iris West, interesse amoroso de Barry Allen na série de TV The Flash, enquanto Danielle Panabaker interpreta Caitlin Snow.

Candice, para você, quais são as vantagens e desvantagens de interpretar o interesse amoroso?

Candice Patton: Eu amo. A única dificuldade é quão frustrados algumas pessoas ficam tanto em esperar Iris ficar junto com Barry, ou ficar com outra pessoa. Eu gostaria que a maioria fosse paciente e apenas deixasse a história se revelar. Acho que o relacionamento que estabelecemos na série entre Barry e Iris é muito romântico. É essa ideia de destino e achar alguém que você é destinado a estar junto. Acho que é realmente um romance, é arrebatador, é uma ideia romântica e eu amo interpretar isso.

Danielle, podemos esperar Killer Frost (Nevasca) de volta na terceira temporada?

Danielle Panabaker: Eu adoraria se víssemos mais Killer Frost. Infelizmente, a versão da Terra-2 da Killer Frost de fato está morta. Mas há 52 Terras, talvez veremos ela em uma terra diferente.

Nós já conhecemos seus personagens da Terra-1 e 2. Como vocês esperam que sejam seus personagens da Terra-3?

DP: Diferente. Eu gosto que tudo é diferente.

CP: Eu não sei quais ideias eu poderia ter para a Terra-3. Não posso nem imaginar o que eles fariam. E há tantas terras para criar. É animador saber que você pode interpretar tantas versões diferentes. Ajuda a manter o foco como ator. Nós nunca esperávamos que iríamos interpretar personagens diferentes em um sentido. É um luxo que poucos atores possuem.

O quanto vocês gostam dos efeitos especiais que acompanham o mundo de super-heroi?

DP: É muito divertido. Ainda me sinto atordoada quando vejo a tela grande gigante.

CP: Nós estamos fazendo um novo filme toda semana. Eu poderia deixar essa série e sentir que posso andar em um set de gravações de um filme e fazer uma grande produção, porque essencialmente nós estamos fazendo isso toda semana. Ter que imaginar algo que não está lá já é difícil, e ainda tentar imaginar algo que nem sequer existe no mundo real, como um tubarão de calça, é apenas mais um desafio.

Vocês tiveram um super-heroi, ou história em quadrinho, favorito enquanto cresciam?

DP: Eu sou nova em tudo isso. Então estou aprendendo enquanto isso.

CP: Eu cresci amando a DC. Batman foi algo grande pra mim. Eu não cresci lendo história em quadrinhos, mas assisti todos os filmes do Batman e Superman. Comecei a ler as histórias do Flash, que eu aprecio muito. E estou meio que me aventurando em outras histórias gráficas, tipo Preacher, antes que comece a ser exibido [a série].

Muitas vezes o público espera que uma personagem mulher seja sempre forte. Mas eu acho que para uma atriz é bem mais interessante crescer com o personagem.

CP: Com certeza. Eu descobri trabalhando na série que o público está menos animado para ver uma mulher crescer na televisão. Eles esperam que elas comecem fortes, permaneçam fortes e terminem fortes. E isso apenas não é verdadeiro à vida real. Mulheres são complicadas. Nós somos bagunçadas. Nós cometemos erros. Eu acho que é importante mostrar isso. O que eu mais amo na Iris é: nós vimos ela crescer durante a primeira e segunda temporada. E espero que continuemos a ver isso durante diversas temporadas. Acho que isso é mais fiel às mulheres da vida real. Ela está em seus 20 anos. De jeito nenhum que ela tem tudo preparado. Não conheço ninguém com vinte e poucos anos que tem tudo pronto.

Se super-herois realmente existissem em nosso mundo, você acha que seria um lugar melhor, ou seria ainda pior?

CP: O que eu acredito sobre a nossa série, e sobre o gênero de super-heroi, é que está mostrando o fato de que super-herois existem sim em nosso mundo. Você não precisa de superpoderes para fazer grandes coisas para a vizinhança em que vive. É sobre usar o que você tem para fazer o que você pode para outras pessoas. Se qualquer um de nós fosse atingido por um raio hoje e se tornasse o homem ou a mulher mais rápido do mundo, você usaria o superpoder para o bem? Você seria o Barry Allen ou o Flash Reverso? Você preferia ser uma boa força no mundo ou a força negativa do mal? Essa é apenas a minha mais profunda opinião sobre o assunto.

Quem são os seus super-herois da vida real?

DP: Estou animada para Hillary Clinton.

CP: Nossos militares, nossos enfermeiros, médicos, pessoas que todos os dias estão fazendo um salário honesto para ajudar. As vezes eu invejo isso como atriz. As vezes eu penso que não é tão importante. Na minha vida pessoal, meu pai é um heroi para mim. Ele era um trabalhador de colarinho azul [relacionado a trabalho manual/trabalhadores, em especial em indústrias]. Ele trabalhou muito e instalou em mim essa ideia de nunca desistir e nunca parar. Isso é um heroi para mim – alguém que inspira outras pessoas.

Houve algum momento em que você pensou em desistir da indústria em que se encontra?

CP: Sim, logo antes da série. Você sabe que como ator você está constantemente dentro e fora de audições. Constantemente indo de um trabalho para o próximo. É como se você nunca encontrará estabilidade. The Flash veio em um momento onde eu tinha passado por diversos pilotos e estava tão perto. Estava entre eu e outra farota. E sempre foi para a outra garota. Você meio que perde esperança. E questiona: isso é só um sonho impossível? Será que devo apenas arrumar tudo e voltar para o Texas, que é da onde eu sou. Lembro de ir para casa no Natal e não pensei que tinha ido muito bem no teste para The Flash. Então fui para casa e contei para meus pais que pensei que estava acabado e estava pensando em voltar. Minha mãe disse ‘você pode voltar para o Texas, mas você não poderá ficar aqui. Não vou apoiar você desistir de seus sonhos’. Então voltei para Los Angeles e duas semanas depois entrei para The Flash.

DP: Houveram múltiplas vezes onde eu estava para desistir. É uma indústria cheia de rejeições e você tem que achar sua própria maneira de lidar com isso.

O que você mais gosta sobre The Flash?

DP: Para mim é a narrativa. Há tanto material ótimo e eles contam grandes histórias. Isso e a estabilidade que a vida na televisão traz. Eu tenho um trabalho praticamente 10 meses no ano. Isso é uma coisa ótima e uma raridade para atores.

CP: O legal para mim sobre The Flash é que é uma icônica história em quadrinhos e agora série de TV. Estamos tocando uma nova geração e um grande grupo de pessoas me conhecerá para sempre como Iris West. (Aponta para Danielle) Eles conhecerão ela para sempre como Caitlin Snow. O resto da minha vida, alguém virá e dirá: “Iris West, eu lembro de você de The Flash.” Isso significa muito.

Qual o seu super-vilão favorite de The Flash?

DP: Nós tivemos vários. É divertido. Digo, os grandes vilões tem sido incríveis, como Flash Reverso e, obviamente, Zoom. Acho que Capitão Frio (Captain Cold) é legal, embora ele não seja realmente um vilão. Mas eu também gosto do Trapaceiro (Trickster), Mago do Tempo (Weather Wizard) e Trajetória (Trajectory).

CP: Eu ainda fico com Capitão Frio. Não sei porque. Há algo legal sobre ele.

Que tipo de feedback vocês recebem dos fãs?

DP: Nós vivemos em um pequeno pedaço de uma bolha, apenas em termos do fato de que vivemos em Vancouver e trabalhamos em Vancouver. Isso é muito de nosso mundo. Uma das coisas favoritas que as pessoas dizem é que eles assistem a série em família. Eu amo ouvir isso.

CP: Minha personagem nas HQs é tradicionalmente branca, então interpretar Iris como uma Afro-Americana é uma experiência única. Então a coisa mais legal que eu ouço dos fãs é: ‘Eu cresci lendo as histórias em quadrinho. Eu conheço Iris West e conheço Barry Allen. Para mim você é a Iris West perfeita. Eu tenho crescido para conhecer e amar muito a sua versão.’ Quando alguém que cresceu com esses personagens diz isso para você, é muito especial.

Em alguns aspectos, foi um movimento corajoso da parte deles elencar você como Iris?

CP: Não acho corajoso, mas eu sou minoria. Parece certo. Parece algo que deveria ter sido feito há muito tempo atrás. Mas de novo, uma das grandes respostas que temos dos fãs são ‘Eu me vejo. Eu finalmente vejo um mundo que parece o mundo que eu vivo’. Isso é importante. Nosso mundo é extremamente diverso. Fazer essas turnês de imprensa internacional me lembra isso. Nem todo mundo tem cabelo loiro e olhos azuis. Então é importante as pessoas ligarem a televisão e ver elas sendo representadas.

Parece haver uma boa atmosfera no set. Nós podemos ver isso nas redes sociais: vocês postando muitas coisas de amizade.

DP: Nós somos amigos. Embora as redes sociais me deixam nervosa, porque sempre fico com medo de dar spoilers. Então fico realmente nervosa. Mas nós nos damos bem e nos vemos fora do trabalho também.

CP: O que vocês veem é o que acontece. É basicamente a verdade. Nós não nos levamos a sério.

Fora do universo da DC, se você tivesse que interpretar outro personagem de outra série, qual seria?

CP: Carrie Mathison em Homeland ou a Mãe de Dragões [Daenerys Targaryen] em uma pequena série chamada Game of Thrones.

O que vocês desejam para suas personagens na próxima temporada?

DP: Estou animada para ver quais são as mudanças. Obviamente Flash mudou algumas coisas voltando no tempo. Eu realmente gostaria de conhecer a mãe da Caitlin e saber um pouco mais sobre sua família e seu passado, sua história.

Talvez você também gostaria de saber mais sobre a origem do Ronnie?

DP: Esse é sempre o meu lance: “Bom, se as coisas foram diferentes, Caitlin e Ronnie estão casados e felizes?” Porque nós não vimos isso ainda e seria legal.

CP: Estou feliz em deixar eles levarem Iris onde querem que ela vá. Mas eu adoraria ver mais de sua imagem, notícia e arte. Eu adoraria ver eles incorporarem isso a série.

Vocês podem opinar no que acontece? Os escritores são imunes ao suborno?

CP: Você sempre pode dizer coisas que gostaria que acontecesse, mas eles estão no comando. Não acho que minhas sugestões vão mudar isso.

DP: Mas isso não me impede de tentar. Fico tipo “E se Ronnie ainda está vivo!”

CP: Eu fico: “E se Iris vive na cobertura do Eddie?”

Você pode ler a entrevista original aqui.

Entre os dias 21 e 24 de Julho aconteceu a San Diego Comic Con. E junto com o elenco de The Flash, Danielle Panabaker compareceu a ao evento. Juntamos nesse super post tudo o que a atriz fez durante os dias em que esteve na SDCC.

SEXTA-FEIRA (22)

Após perguntar em seu Twitter se seus seguidores eram fãs de Preacher, Danielle apareceu de surpresa no painel da série. O painel era uma mesa de leitura do próximo episódio, e a atriz leu as falas de alguns personagens de atores que não estavam presentes.

SÁBADO (23)

No sábado foi dia de The Flash! Junto com seus colegas de elenco Grant Gustin, Candice Patton, Carlos Valdes, Keiynan Lonsdale, Jesse L. Martin, Tom Cavanagh e Tom Felton, Danielle concedeu diversas entrevistas sobre a terceira temporada da série, que estreia dia 4 de outubro.

Durante o evento, Keiynan Lonsdale ficou respondável pelo Instagram da série e postou algumas fotos da Danielle.

Danielle e Candice Patton posaram para os portraits da Shuttertock Now em parceria com o TV Line.

Os atores distribuíram autógrafos.

E participaram do painel de The Flash.

No painel, Danielle disse que adorou interpretar Killer Frost, adora o traje e e contou um pouco sobre as mudanças que fizeram nele ao longo da criação.

Sobre o Flashpoint, Danielle acha interessante que, assim como os episódios da Terra-2, mostra o quão talentoso é o elenco [pois interpretam o mesmo personagem, com diferentes personalidades].

Ao que parece, Cisco e Caitlin não possuem um bom relacionamento no Flashpoint.

Danielle espera que Caitlin encontre felicidade e amor.

E gostaria de ter mais cenas com Candice Patton, acredita que as duas não tem cenas suficientes juntas.

E no final da noite, Danielle compareceu a after party da Entertainment Weekly

DOMINGO (24)

No domingo, após todos os compromissos, Danielle e o elenco voltaram para Vancouver.

Na noite passada, foi ao ar na The CW o último episódio da segunda temporada de The Flash. Danielle Panabaker conversou com o site Comic Book Resource sobre o grande final da temporada, como foi interpretar Killer Fros, a possibilidade de Caitlin Snow da Terra 1 seguir o mesmo destino obscuro de sua sósia da Terra 2 e mais. Confira:

Com sua combinação de inteligência e coragem, Caitlin Snow de “The Flash” dificilmente é uma donzela em perigo. A cientista do S.T.A.R. Labs costuma usar suas habilidades para salvar o dia em inúmeras ocasiões – mas sua inteligência não foi capaz de mantê-la longe das garras do velocista malvado conhecido como Zoom.

Em uma tentativa de trazer Caitlin para o seu lado, o homem que se passava por Jay Garrick sequestrou Caitlin, escondendo-a na Terra 2. Zoom falhou, é claro, e Caitlin, sempre engenhosa, escapou e se juntou ao Time Flash. Agora, no último episódio da temporada, Caitlin irá até o seu limite para ajudar Barry a livrar a Terra 1 de Zoom – de uma vez por todas.

Perto do último capítulo da segunda temporada, a atriz Danielle Panabaker conversou com o CBR News sobre a mágoa de Caitlin e sua vingança pessoal contra Zoom. Ela também abriu o jogo sobre o quanto ela gostou de deixar seu lado malvado tomar conta como Killer Frost, sua surpresa ao saber a identidade do homem da máscara de ferro, e o quanto ela espera que os fãs irão gostar do que o final reserva para a terceira temporada.

Desde a temporada passada, tanto você quanto quem assiste a série têm antecipado a transformação de Caitlin em Killer Frost. Quão legal foi incorporar a personagem? Foi de acordo com as suas expectativas?

Foi muito legal. Um pouco assustador no começo. Eu estava um pouco intimidada para assumir a personagem, porque tenho interpretado a Caitlin por tanto tempo e era um papel tão diferente. Me sinto muito sortuda de ter tido a oportunidade de fazer isso. Eu fiz uma pequena pesquisa. Nosso produtor-executivo, Andrew Kreisberg, tentou me dar uma direção, assistir os antigos filmes originais do Batman, a Catwomam de Michelle Pfeiffer e Poison Ivy de Uma Thurmam. Foi divertido voltar e assistir esses [filmes] para me inspirar.

Por que era tão importante ela ter uma conexão com o Ronnie Raymond da Terra 2, em que ele meio que derretia o coração dela?

Isso que é tão legal sobre o relacionamento deles e a dinâmica Firestorm/Killer Frost. Foi divertido ver isso e continuar dizendo “O único homem que posso beijar é o único que eu quero.” E foi ótimo ver o romance entre Caitlin Snow e Ronnie Raymond tão diferente do que nós vimos na Terra 1.

Caitlin também formou uma parceria forte com Jay Garrick durante a temporada. Qual foi a sua reação quando descobriu que ele, na verdade, era Zoom?

Honestamente, eu já sabia antes mesmo deles apresentarem o personagem Jay Garrick. Foi realmetne divertido interpretar durante a temporada. Eu tenho que dizer o quão impressionada fiquei com a performance de Teddy Sears, de ver ele realmente fazer dois personagens completamente diferentes. Jay Garrick é tão doce, e quando nós conhecemos Hunter Zolomon ou Zoom, acho que Teddy fez um trabalho incrível o retratando.

Não houve nem mesmo uma única indicação para os fãs de que poderia haver algo mais sobre Jay.

Teve que ser um pouco diferente do que ano passado com o Harrison Wells de Tom Cavanagh, onde bem cedo você já estava tendo dúvidas sobre ele. Esse ano, Jay parecia tão amável. Não tinha como imaginar que algo estava errado.

Zoom definitivamente veio com um plano de jogo, mas inesperadamente ele desenvolveu sentimentos pela Caitlin. Você sente que isso atrapalhou seus planos?

Eu acho que causou problemas a ele. O atrasou um pouco . Ele se apaixonou por Caitlin – ele a levou de volta para a Terra 2. Tentou convencê-la a ficar no time Zoom ao invés do time Flash. Eu acho que isso o distraiu um pouco de seu propósito, o que pode ser um benefício para o time Flash.

Caitlin foi totalmente surpreendida pela verdadeira identidade de Jay. Existe alguma parte dela que ainda se preocupa com ele?

Eu acho que não. É até mesmo difícil saber quem ele é. Ele está praticamente levando uma vida dupla. Eu acho que há alguma parte dela que provavelmente pode ter empatia por tudo que ele passou, mas não tenho certeza se ela continua se importando com ele.

Qual o papel de Caitlin em ajudar Barry a derrotar Zoom?

Caitlin tem uma função muito grande se tratando de derrotar Zoom. Ela tem uma ligação muito pessoal a isso, e um pouco de vingança. Ela quer pegar Zoom, por isso está disposta a ir até novos extremos para se vingar por tudo que ele fez a ela.

O que está em jogo no último episódio?

O que é muito incrível sobre a nossa série é que não é só o último episódio, mas eu sinto que os últimos dois episódios [21 e 22] foram gigantescos. Obviamente, “Invincible” trouxe algumas coisas loucas. Estou interessada em ver a resposta dos fãs sobre o final. Definitivamente irá chocá-los. Vamos ver o que isso significará para a terceira temporada.

Um dos mistérios tem sido a identidade do homem por trás da máscara de ferro. Tem havido muita especulação sobre quem poderia ser. Quão surpreso você acha que o público ficará com a revelação?

Foi muito divertido no início da temporada – quando não sabíamos nada sobre a Terra 2 e como eram todos os sósias (doppelgänger) – e começamos a tentar adivinhar. Eu estive recentemente com Robbie Amell e rimos sobre quão divertido seria se fosse ele. Obviamente, não poderia ser, porque conhecemos Deathstorm. Assim que conhecemos mais e mais personagens, fomos eliminando as opções sobre quem era. É uma grande revelação. Fiquei tão surpresa. Estar no set assistindo isso foi muito especial.

Como o final da segunda temporada prepara a base para o próximo ano?

Para ser sincera, eu não sei muito sobre a terceira temporada. Eles acabaram de começar a escrever. Eles tem alguns novos escritos incríveis a bordo. Isso irá trazer coisas novas para a terceira temporada. Mas até eu fiquei chocada pela forma como acabaram a segunda. Estou ansiosa para ver o que isso significa.

Inicialmente, Cisco estava preocupado que a morte de Ronnie levaria Caitlin a abraçar seu lado obscuro. Agora, ela perdeu alguém. Pra você, a Caitlin da Terra 1 tem potencial para se transformar em Killer Frost?

Eu acho que ela tem o potencial de se transformar em Killer Frost. Ela passou por muita coisa. Seria bom se ela tivesse um descanso e pudéssemos ver um lado mais feliz de Caitlin por um minuto, mas ela tem o potencial em algum ponto. Você nunca sabe o que a vida pode jogar nela.

O episódio “The Runaway Dinosaur,” recebeu vários elogios dos fãs. Como foi ser dirigida por Kevin Smith?

Foi incrível. Infelizmente, estou decepcionada que não estive muito no episódio. Teddy [Sears] não estava disponível porque estava filmando o piloto da série que ele conseguiu, por isso estou feliz por ele. Foi chato para mim não estar por lá durante o episódio, porque Kevin Smith acrescentou muito para a série, muito coração e calor. Ele inspirou nossa equipe, quase no final da temporada quando todo mundo está realmente ficando desgastado. Kevin trouxe uma nova energia e nova vida ao set. Sou muito grata a ele por isso.

Fonte: Comic Book Resources
Tradução feita pelo Danielle Panabaker Brasil. Se repostar, por favor, credite.

—- CONTÉM SPOILERS DO EPISÓDIO 2X18 DE THE FLASH —-

Na última terça-feira (19), foi ao ar o episódio 18 da segunda temporada de The Flash. Durante o episódio, a equipe do Flash conheceu a verdadeira identidade de Zoom e quem realmente era o ‘Jay Garrick’ que se infiltrou no S.T.A.R. Labs, e se relacionou com Caitlin Snow. No final do episódio, Caitlin foi levada pelo vilão. Toda essa situação pode ser um pretexto para ela finalmente ter o mesmo destino de sua doppelgänger da Terra-2 e se tornar a vilã Killer Frost (Nevasca)? De acordo com o ator Teddy Sears, intérprete de Zoom, Caitlin terá que lutar seriamente contra seus impulsos de dizer “dane-se” e se tornar malvada.

“Nós já vimos ela como Killer Frost. Nós vimos que seu coração quer ficar frio, posso assim dizer. Ela tem que lidar com a ideia de que ‘aqui está outro cara que eu pensava que amava e foi embora’ – não foi embora fisicamente como Ronnie, mas foi embora. A presença dele foi embora. Assim como na vida, como as pessoas reagem a esse tipo de coisa? Há dois caminhos distintos para seguir. Não estou dizendo que ela se tornará Killer Frost com isso, mas nós sabemos por conhecer a sua sósia [da Terra-2] que ela tem esse potencial. Ela começa a interiorizar o que ela tem que fazer com esta nova informação. Quem ela se tornará? Como reagirá?”

Apesar de Hunter Zolomon ao se passar por ‘Jay Garrick’ ter enganado a todos por sua sede de poder, Teddy afirma que se envolver com Caitlin nunca esteve nos planos do vilão, ele não brincou com os sentimentos dela, e o que sente por ela é real.

“Tenho que dizer que, enquanto ‘Jay Garrick’ conseguiu cair nas graças de todos os membros do S.T.A.R. Labs e realmente os convenceu de que ele era alguém que não é, o que ele teve com Caitlin foi real e honesto. Ele a ama. A conexão que eles tem sempre foi real. Ele é um homem arruinado que não vê as coisas claramente. Seu cérebro não funciona exatamente como o das outras pessoas.

Eles tiveram uma conexão especial logo cedo. Quando a temporada começou eles eram ambos estranhos em um lugar estranho – Jay literalmente, mas Caitlin tinha acabado de perder Ronnie. Acho que eles formaram um laço muito cedo com base de que eles encontraram um ao outro. Caitlin não era parte do plano.

(…) o sentimento dele por ela sempre foi real, e os escritores queriam frisar algo que é interessante, ver um cara fingir ser uma pessoa com todo mundo, mas ter esse tipo de avanço onde ele tem sentimentos reais e duradouros por alguém.”

O ator completa dizendo que saberemos o porquê de Zoom ter levado Caitlin:

“Ele fica com a garota a qualquer custo. Ela não é um troféu; ela é alguém que ele acredita que ama e quer ter com ele.

Há uma razão pela qual ele sequestra ela, o que faz muito sentido pra ele, e nós veremos nos próximos episódios.”

Entretanto, Teddy explica que Caitlin não sente mais o mesmo:

“Após a revelação, ela sente repulsa dele. Não quer nada com ele. Surpreendentemente, Hunter não entende muito bem o porquê, o que acaba sendo divertido. Ele está um pouco desorientado, e muito danificado.”

Fontes: E!Online | zap2it | Entertainment Weekly